JORNAL DO DHAMMA VIVO

Outono – 2019

Queridos amigos do Dhamma,

O outono se mostra nas folhas que estão amarelando. Esta é uma excelente época para caminhadas longas na floresta onde moro. Dias quentes e noites com temperaturas agradáveis para o corpo-mente.

Nesses últimos meses, tive oportunidade de fazer vários cursos, viagens, e longas caminhadas pelo deserto australiano, onde os primeiros guardiões deste continente ainda se encontram em resistência à colonização, mas também têm sofrido com a quebra da comunidade, da cultura e passam por necessidades básicas.

Tive contato com várias mães e mulheres pelas ruas das pequenas cidades em estado de extremo sofrimento. Nestas situações mindfulness (de plena atenção), veio ao meu socorro, convidando-me para estar presente ao que surgia no corpo-mente e que me mantivesse na base da compaixão, da gentileza e da generosidade.

Ao trazer a prática do Dhamma para a vida como um todo, a mente pôde estar presente a tantas tendências antigas que surgiam no coração, no momento de contato entre os olhos, ouvidos e o outro humano. Com o apoio do Insight Dialogue, pude ver o quanto estas mesmas tendências, que no passado eu reconhecia como saudáveis e ‘corretas’, ocultavam a qualidade do coração que é necessária para uma resposta adequada e saudável.

Lembrei-me dessa passagem sobre a totalidade da prática do Insight Dialogue e gostaria de compartilhá-la, na parte em que Gregory Kramer fala: “Assim, todo as seis diretrizes juntas se alinham para que possamos criar uma prática que equilibre, fortaleça e traga adaptabilidade e continuação da mesma qualidade que buscamos em nossa Prática do Silêncio; o propósito é o mesmo: libertar a mente, ver as coisas como elas realmente são, dar a chance de estar com o fenômeno de uma tal maneira que possamos perder a tendência de agarrar, controlar e, genuinamente, deixar ir para, genuinamente, sermos livres. Daí advêm comportamentos mais gentis e generosos, porque não estamos tão presos em nossas raivas e medos, e a compaixão aumenta naturalmente porque estamos calmos, relaxados e abertos.

Em nossa vida relacional, a outra pessoa está vibrando na nossa frente e nós sentimos isto. As respostas inconscientes diminuem. Estamos bem aqui juntos nesta experiência humana.  Entretanto, Insight Dialogue não é treinamento comportamental, não é uma prática de comunicação, ou uma prática de melhoria de relacionamento. É uma prática de meditação que liberta o coração. As diretrizes nos ajudam a nos manter nas bases  em que possamos estar mais e mais conscientes, fora das bases da reação. Portanto, as diretrizes têm um propósito. Elas se conectam, elas nos ajudam a lembrar sobre a volta ao momento presente, com mindfulness (atenção total) enraizada no corpo.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *